domingo, 20 de setembro de 2009

Uma carta para mim (Blogagem Coletiva)




Caro Dilermano,

Jogar futebol, soltar pipas, puxar carrinhos, correr à toa, brincar muito e trabalhar pouco, essa era nossa vida…Depois vieram os estudos, aprender a ler e fazer contas, a catequese, a primeira comunhão, aos poucos fui ficando para trás…Na adolecência você ficou muito chato e tentou me virar as costas, mas não adiantou, volta e meia estávamos juntos.
Fiquei feliz quando percebi que podias ganhar a própria vida, aos dezessete, mais seguro e dono do próprio nariz, e aos vinte um, o amor, o casamento! Vieram os filhos, brincamos juntos, sim, pois de algumas forma sempre estive presente. Você voltou a jogar futebol, construir pipas, dançar e pescar…Que tempo bom! A volta aos estudos, o concurso público, a vida profissional, as crianças crescendo, a companhia da mulher amada, sempre forte, companheira, cúmplice! Eu junto! É verdade que fiquei mais retraído, você se tornou um adulto responsável, tinha pouco tempo pra mim, mas eu estava lá, sempre à disposição.
Agora com os filhos criados, formados, casados ou quase casando, os netos chegando, a aposentadoria, a velhice …Epa! Velhice não, Melhor Idade!
Vamos voltar para o início, brincar muito e trabalhar pouco!
Combinado?

Carinhosamente,
Do guri que sempre existiu em você.
.

14 comentários:

Chica disse...

Que coisa linda essa carta e temos mais que fazer isso mesmo, não? Eu curto os netos de montão(pena que 2 moram longe) e tenho um que está sempre aqui e isso nos faz muito bem(sa~ão 6 guris)...abração, lindo domingo,chica

Flor ♥ disse...

Lindo, Dilermano... afinal, dentro de cada um de nós existe sempre "um menino, um moleque"...

Bjs.

José Jaime disse...

Linda postagem. E o mais importante dela curtir as fazes da vida sem se importar com títulos ou duração e naõ deixar que morra a criança que existe no nosso interior.
Abraços

Renata Nogueira disse...

Muito legal sua carta!!
Adorei!
Parabéns pela participação!
Beijão

Patricia Daltro disse...

Gostei de sua abordagem, estou acompanhando alguns que escreveram na blogagem coletiva e você optou por uma ótica diferente. Gostei. Deixar e, principalmente, ouvir o guri que vive em nós é essencial para sermos pessoas melhores.

João Olavo-Traços de um homem disse...

Bela carta...
realmente se não deixarmos essa criança ir embora...td fica muito mais facil..
Abraços

digitaqueeuteleio disse...

Muito legal falarmos para nós mesmos. É um mar de lembranças, sempre...

Parabéns pela postagem!

Marcelo.

Dalva disse...

Dilermano,

essa blogagem mexeu com nossos sentimentos... estou adorando participar. Parabéns pela postagem...

Também estou participando... Se puder, dá uma passadinha, gostarei da tua visita!

Bjs.
Dalva

César Elias disse...

Mas Bah! muito bom esse texto. Reencontrar-se com a crinaça que existe em nós é o segredo do eterno sorriso.

"Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas." (São Lucas 18,16)

Jesus nesse texto também referiu-se ao guri que existe em casa um de nós...
Vamos, pois encontra-lo!

Elaine disse...

Amigo,
Li sua carta com um sorriso nos lábios. Li tantas cartas tristes que ler algo tão singelo e doce foi um bálsamo!
Muito obrigada e parabéns pela abordagem original.

Mari Amorim disse...

OLÁ
Adorei teu post,desculpe me só consegui passar hoje,mas fiquei feliz pelo teu blog,lindo mesmo,Parabéns
Boas energias
Mari

A Madrasta Má disse...

Olá Dilermano! Adorei, super criativa! Desperte mesmo este guri em vc! felicidades! Bjinhos da Madrasta!

Beta disse...

Olá!
Muito obrigada por sua visita!
Gostei muito do seu espaço, então agora estou por aqui ok??

Abraço!
Beta

Max Coutinho disse...

Olá Guri :D!

Que carta mais linda: sentida, sincera!

Mas fiquei feliz por saber que o Dilermano Junior ainda está presente, lá no seu canto sempre a dar-te o toque quando necessitas de ser menos adulto (graças a Deus) :)!

Bela participação, meu amigo!

Um abraço