sábado, 14 de março de 2009

O Sofá

Imagem do Google
As novas normas sobre o acesso de torcedores aos estádios de futebol, me fazem lembrar a piada daquele marido que encontrou a mulher com outro, no sofá da sala, vendeu o sofá e disse: “Quero ver ela fazer de novo!”
É assim, em nosso país, quando os falsários usaram nomes de terceiros para operarem contas em bancos, em lugar de punir os culpados, nova legislação, mais rígida, para a abertura de contas, é claro que “laranjas” continuaram existindo e operando.
Já fizeram motoristas com mais de 30 anos de habilitação e sem jamais terem causado um arranhão, se quer, em nenhum veículo ou pessoa , participarem de “aulas de direção defensiva”, como forma de diminuir os acidentes de trânsito, em lugar de punir os infratores. Proibiram a venda de bebidas alcoólicas nas margens das estradas federais, levaram pressão e liberaram, proibiram o consumo, agora punir os culpados, não!
Quando os presos usaram aparelhos celular para comandar o crime de dentro das prisões, obrigaram as operadoras a bloquearem o sinal em volta dos presídios, não funcionou, os presos continuam usando celulares, punir os culpados, não!
Só para ficar nesses exemplos, os comentaristas, certamente terão muitos outros…
De sofá em sofá , a impunidade vai sempre achando onde deitar!

6 comentários:

J.F. disse...

Diler,
Transportar dólares na cueca podia, até pouco mais de uma semana. Nesta semana pegaram outro carinha transportando dólares na cueca. Só que este não é ligado ao governo. Não demora muito e deve vir por aí uma lei proibindo o uso de cuecas.
Abração.

Lunna Montez'zinny disse...

Como toda proibição gera reação e está gera uma possibilidade. O ser humano se supera, só as leis que seguem sendo elas mesmas.
Abraços daqui...

Lunna disse...

Voltei para dizer-te que indiquei você para um meme, claro que você pode declinar desse convite. Fique a vontade. Beijos daqui

Luciana disse...

Excelente o seu texto, Dilermano, parecde que no Brasil, as leis são cumpridas às avessas, ou então há uma distorção na interpretação dos fatos.
Adorei a piada do marido. Fiquei rindo por aqui...

Beijão!

Flor ♥ disse...

É verdade... proibiram o porte de arma, menos para os marginais, que cada vez estão mais armados, mas vc, cidadão honesto, não pode ter uma arma em casa para sua defesa!

De sofá em sofá...

Max disse...

Oi Diler!

Não é só aí...aqui em Portugal saem leis que nem eu entendo.

Por exemplo, o nosso governo quis que prendas em dinheiro estivessem sujeitas a imposto (ou seja, se a minha avó me quisesse dar um dinheirinho para me ajudar, eu teria que pagar imposto...imagina!); mas depois sofreu uma pressão...e desistiu.
Depois, o sigilo bancário iria acabar (por causa da evasão fiscal - a qual sou contra, mas acho que há vários meios de a controlar sem abdicar do sigilo bancário, senão onde é que isto irá parar?)...houve um escândalo, e desistiram.
E outros exemplos nesta linha...

Eu pergunto-me, por que será que os governos não se preocupam com leis que realmente interessam? Por exemplo, que tal legalizar a prostituição? É um negócio de milhões de euros, que não paga imposto, que não está sujeito a controle (de toda a sorte: saúde, segurança etc), e que está ligado a crimes (tais como o tráfico humano e de droga)...

Isto sim, é um problema que requer uma lei concreta...mas não...preferimos andar às voltas com assuntos que não interessam a ninguém...

Um abraço